CANDELÁRIA – um Patrimônio Carioca

O projeto objetiva a publicação de um livro com a reprodução de textos e imagens que contextualizam a Igreja da CANDELÁRIA no cenário urbanístico, histórico e cultural carioca.

A Igreja de N. S. da Candelária, no Rio de Janeiro, é, sem qualquer dúvida, o mais marcante e imponente monumento religioso da cidade, metrópole rica, no entanto, em igrejas erguidas desde o século XVII até a atualidade.

Se o edifício atualmente existente foi construído entre o último quartel do século XVIII e a primeira metade do século XX, a história da devoção que lhe deu origem é muito anterior, nascida – como ocorreu com tantas igrejas no litoral brasileiro – de uma promessa realizada durante uma ameaça de naufrágio. De fato, em primórdios do Seiscentos, o casal de portugueses Antônio Martins Palma e Leonor Gonçalves, que se aproximavam da cidade em meio a uma forte tormenta, fez uma promessa de erguer uma ermida a essa denominação da Virgem, no local em que chegassem a salvo em terra firme, no caso do sucesso
da intervenção. Em 1609 uma pequena capela foi, portanto, construída no mesmo local onde hoje se ergue o majestoso templo.

As obras deste  começaram em 1775, sob o risco do engenheiro lusitano Francisco João Rocio, com pedras provenientes do Morro Nova Sintra, dando a origem à assim denominada Pedreira da Candelária, na atual Rua Bento Lisboa, no Catete. A
monumental fachada do tempo, inaugurado, ainda inacabado, por Dom João VI, em 1811, apresenta, em estilo barroco tardio, o mais belo trabalho de vergas, cunhais, cornijas, colunas, capitéis e beirais em gnaisse carioca jamais realizado na cidade.

CANDELARIA LIVRO-01